Linguística aplicada e a formação continuada e crítica para professores de línguas adicionas: contribuições de um grupo de pesquisa

Autores/as

  • Phelipe de Lima Cerdeira Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil
  • Adriana Cristina Sambugaro de Mattos Brahim Universidade Federal do Paraná, Brasil
  • Denise Akemi Hibarino Universidade Federal do Paraná, Brasil

Palabras clave:

Formação Permanente de Professores, Novos Letramentos, Educação de Línguas

Resumen

Este trabalho tem como objetivo apresentar e discutir as atividades de um grupo de pesquisa, caracterizado como espaço acadêmico e colaborativo de promoção da formação permanente (Freire, 1996) de professores de línguas que atuam em diferentes instituições de ensino superior e de educação básica. Inicialmente, pretendemos apresentar nossas histórias locais (Mignolo, 2003) de formação e de constituição do grupo de pesquisa, e nossas preocupações com a área de formação continuada de professores em Linguística Aplicada ao longo da carreira docente, propiciando desenvolvimento acadêmico, social e pessoal. Na sequência, pretendemos abordar brevemente as perspectivas teóricas que, ao longo de cinco anos de existência, têm sido basilares para os estudos e para as pesquisas dos participantes vinculados ao grupo, como os estudos de letramentos - Multiletramentos (The New London Group, 1996; Cope; Kalantzis, 2009; Rojo, 2012, 2013, 2017); Novos Letramentos (Lankshear; Knobel, 2003, 2006) Letramento Crítico (Menezes de Souza, 2011, 2014; Monte Mór, 2014, 2017; Jordão, 2015, 2017); Colonialidade/Decolonialidade (Mignolo, 2003; Sousa Santos, 2013; Quijano, 2014), entre outros. Em seguida, apresentaremos alguns exemplos de práticas de letramentos e de trabalhos em Linguística Aplicada que têm sido desenvolvidos a partir de delineações decorrentes de estudos, reflexões, discussões e pesquisas realizadas colaborativamente pelos participantes. Os resultados alcançados em cinco anos de existência do grupo de pesquisa são reveladores de um processo de “reinvenção de formas de produzir conhecimentos” (Moita Lopes, 2006) nas e a partir das vivências e experiências docentes de cada um dos membros. Desta maneira, não há dúvidas de que o GPELIN tem se constituído em um espaço profícuo para o exercício de formação crítica e permanente e da práxis docente (Freire, 1996).

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Cerdeira, P. de L. (2020). Comunicándome: a experiência de Hablar com Voces Otras ou um relato de um cursode extensão criado sob a perspectiva do letramento crítico para (re) pensar as possibilidades de ensino de ELE. Em A. C. S. de Mattos Brahim; D. A. Hibarino, (Eds.), Entre Línguas: letramentos em prática (119-144). Campinas, SP: Pontes Editores.

Cook, V. (1999). Going beyond the native speaker. TESOL Quarterly, 33(2), 185-209, 1999. doi: https://doi.org/10.2307/3587717

Cope, W. & Kalantzis, M. (2000). (Eds.). Multiliteracies: Literacy Learning and the Design of Social Futures. London: Routledge.

_______________________. (2008). New learning: elements of a science of education. Port Melbourne: Cambridge University Press.

_______________________. (2009). “Multiliteracies”: New Literacies, New Learning. Pedagogies. 4 (3). 164-195. doi: 10.1080/15544800903076044

Firth, A. & Wagner J. (1997). On discourse, communication, and (some) fundamental concepts in SLA research. The Modern Language Journal, 81(3), 285-300. doi: https://doi.org/10.2307/329302

Fogaça, F. C.; Hibarino, D. A.; Kluge, D. C.; Jordão, C. M. (2017). Entrevista com Clarissa Jordão. Revista X, 12 (1), 187-195. doi: http://dx.doi.org/10.5380/rvx.v12i1.54227.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_________. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

_________. (2013). Pedagogia da Tolerância. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, M.M.; Leffa, V.J. (2013). A auto-heteroecoformação tecnológica. Em L.P. Moita Lopes, L. P. (Ed.), Linguística aplicada na modernidade recente. Festschrift para Antonieta Celani (59-78). São Paulo: Parábola Editorial.

Garcez, P M..; Schulz, L. (2015). Olhares circunstanciados: etnografia da linguagem e pesquisa em Linguística Aplicada no Brasil. D.E.L.T.A., 31 (4), 1-34. doi: https://doi.org/10.1590/0102-445093806057590158

Gimenez, T. N. (2011). Tendências das pesquisas na área de formação de professores de línguas estrangeiras no contexto brasileiro em E. Battisti; N. G. Collischon, (Coords.), Língua e linguagem: perspectivas de investigação (125-140). Pelotas: EDUCAT.

Hibarino, D. A. (2018). Vivências da agência docente nas aulas de língua inglesa no contexto do ProFISUNICAMP (Tese de doutorado). UNICAMP.

Jordão, C. M. (2013). Letramento crítico em 2.500 palavras, mais ou menos. Em C.M. Jordão et al (Eds.), PIBID nas aulas de inglês: divisor de águas e formador de marés (41-46). Campinas, SP: Pontes Editores.

____________. (2014). Aprendendo língua estrangeira com o professor Jacotot: criticidade na pedagogia crítica e no letramento crítico. Em E. Mateus y N. Oliveira, Estudos Críticos da Linguagem e Formação de Professores de Línguas: contribuições teórico-metodológicas (121-143). Campinas, SP: Pontes Editores.

____________. (2016). No Tabuleiro da Professora Tem.... Letramento Crítico? En D. M. Jesus; D. Carbonieri. (Eds.), Práticas de Multiletramentos e Letramento Crítico: outros sentidos para a sala de aula de línguas (41-56). Campinas, SP: Pontes Editores.

Kleiman, A. B.; Cavalcanti, M. C. (Orgs.) (2007). Linguística Aplicada: faces e interfaces (255-270). Campinas, SP: Mercado de Letras.

Kumaravadivelu, B. (2003) Beyond Methods: Macrostrategies For Language Teaching. Yale University Press.

Lankshear, C.; Knobel, M. (2003). New Literacies: Changing Knowledge and Classroom Learning. Buckingham: Open University Press.

________________________. (2006). New Literacies: Everyday practices and classroom learning. Glasglow: McGraw-Hill/ Open University Press.

Leffa, V.J.; Irala, V.V. (2014). Uma Espiadinha na Sala de Aula. Ensinando línguas adicionais no Brasil.Pelotas: EDUCAT.

Mattos Brahim, A. C. S. de; Hibarino, D. A. (2020). Entre Línguas: letramentos em prática. Campinas, SP: Pontes Editores.

Menezes de Souza, L.M. (2011a). Para uma redefinição de letramento crítico: Conflito e produção de significação. Em R. F. Maciel; V.A. Araújo, Formação de professores de línguas: Ampliando perspectivas. (128-140). Jundiaí, São Paulo: Paço Editorial.

_____________________. (2011b). Professor de Inglês e os Letramentos no século XXI: métodos ou ética. Em C.M. Jordão et al., Formação Desformatada: práticas com professores de língua inglesa (279-303). Campinas, SP: Pontes Editores.

_____________________. (2019). Menezes de Souza, L. M. Glocal languages, coloniality and globalization from below. Em M. Guilherme; L.M. Menezes de Souza, (Eds.), Glocal Languages and Critical Intercultural Awareness: The South Answers Back (17–41). Routledge.

Mignolo, W. (2003). Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Moita Lopes, L. P. (1999). Fotografias da linguística aplicada no campo de línguas estrangeiras no Brasil. D.E.L.T.A., 15 (spe), 419-435. doi: https://doi.org/10.1590/S0102-44501999000300016.

_________________. (2006). Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. Em L. P. da Moita Lopes, Por uma linguística aplicada indisciplinar (13-44). São Paulo: Parábola Editorial.

_________________. (2013). Fotografias da Linguística Aplicada brasileira na modernidade recente: contextos escolares. Em L. P. da Moita Lopes, Linguística Aplicada na Modernidade recente. Festschrift para Antonieta Celani (15-38). São Paulo: Parábola Editorial.

Monte Mór, W. (2013). Crítica e Letramentos Críticos: Reflexões Preliminares. Em C.H. Rocha; R.F. Maciel (Orgs.), Língua Estrangeira e Formação Cidadã: por entre discursos e práticas (31-50). Campinas, SP: Pontes Editores.

____________. (2014). Convergência e diversidade no ensino de línguas: expandindo visões sobre a diferença. Polifonia, 21 (29), 234-253. https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/issue/view/152

____________. (2017). Palestra. Crítica, Letramentos Críticos, Agência e Cidadania Ativa na Educação Linguística. Curitiba.

Pennycook, A.; Makoni, S. (2007). Disinventing and Reconstituting Languages. Clevendon: Multilingual Matters.

Pennycook, A. (2012). Language and mobility: unexpected places. Toronto: Multilingual matters.

Pignatelli, F. (1994). Que posso fazer? Foucault e a questão da liberdade e da agência docente. En T.T. Silva, O sujeito da educação: estudos foucaultianos (127-154). 2a Edição. Petrópolis: Vozes.

Quijano, A. (2014). Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Em A. Quijano, Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO.

Rajagopalan, K. (2003) Língua Estrangeira e autoestima. Em K. Rajagopalan, Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. (65-70). São Paulo: Parábola.

Rojo, R. H. R. (2012). Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. Em R. H. R Rojo; E. Moura (Orgs.), Multiletramentos na Escola (11-32). São Paulo: Parábola Editorial.

_____________. (2013) Gêneros discursivos do Círculo de Bakhtin e multiletramentos. Em R. H. R. Rojo. (Org.). Escol@ conectada: Os multiletramentos e as TICs (13-36). São Paulo: Parábola Editorial.

_____________. (2017). Novos multiletramentos e protótipos de ensino: Por um Web-Currículo. Em G. S Cordeiro, E. M. D. Barros; A. V Gonçalves, (Orgs.), Letramentos, objetos e instrumentos de ensino: Gêneros textuais, sequências e gestos didáticos (189-216). Campinas, SP: Pontes Editores.

Signorini, I.; Cavalcanti, M. C. (1998). Linguística Aplicada e transdisciplinaridade. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Silva, K. A. C. P. da (2011). A formação de professores na perspectiva crítico-emancipadora. Linhas Críticas, Brasília, 17 (32), 13-31. doi: https://doi.org/10.26512/lc.v17i32.3668

Sousa Santos, B. (2014). Epistemologies of the South: justice against epistemicide. Boulder, Colorado: Paradigm. The New London Group. (1996). A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. The Harvard educational review, 1 (66), 60-92. doi: https://doi.org/10.17763/haer.66.1.17370n67v22j160u

Uslar Pietri, A. (1990). Las Carabelas Del Mundo Muerto. Em A. Uslar Pietri, Cuarenta Ensayos. (337-343). Caracas: Monte Ávila Editores.

Descargas

Publicado

2021-07-29

Cómo citar

de Lima Cerdeira, P. ., Sambugaro de Mattos Brahim, A. C. ., & Akemi Hibarino, D. . (2021). Linguística aplicada e a formação continuada e crítica para professores de línguas adicionas: contribuições de um grupo de pesquisa. Ñemitỹrã, 3(1), 38–51. Recuperado a partir de https://revistascientificas.una.py/index.php/nemityra/article/view/1588