Internacionalização como prática local na formação de professores de língua: telecolaboração Brasil-Canadá

Autores/as

  • Gustavo Moura University of Manitoba, Canadá
  • Iara María Bruz Universidade Federal do Paraná, Brasil

Palabras clave:

Prática Local, Telecolaboração, Pós-modernidade, Ensino de Inglês, Internacionalização

Resumen

Em um contexto neoliberal, as discussões acerca dos programas de internacionalização em universidades carecem de outras perspectivas que não hegemonizem ainda mais o conhecimento científico e práticas educativas coloniais. A internacionalização abrange outras extensões, e este artigo de cunho qualitativo, seguindo a epistemologia da emergência, busca desenvolver o conceito de internacionalização como prática local e analisar os efeitos desta na formação de professores de língua inglesa. Os autores abordam questões promovidas por um projeto de telecolaboração, incluindo professores de língua inglesa no Brasil e acadêmicos em formação no Canadá. As discussões apresentadas surgem da análise de uma série de conversas, ocorrentes por meio de plataformas online (e.g., Skype, Messenger, Google Hangouts), que englobam questionamentos acerca do ensino de língua inglesa e seus desafios. As discussões apresentadas neste artigo seguem uma proposta pós-moderna de ensino cujo objetivo é pluralizar os conhecimentos e práticas docentes, e expandir o conceito e o papel da língua inglesa em uma sociedade global. Como aspectos emergentes dos diálogos entre os participantes do projeto, este artigo discorre sobre: 1) a formação de professores de línguas; 2) a eficácia do ensino de inglês; 3) o papel do ensino de língua inglesa na sociedade; e 4) o repensar da formação docente segundo o princípio da particularidade e dos letramentos críticos. Os resultados servem de pontos de partida a serem continuamente discutidos e problematizados para o desenvolvimento profissional, bem como o envolvimento com o pensamento crítico sobre o significado do ensino de inglês por meio de projetos de internacionalização hoje.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Biesta, G. (2011). How Useful Should the University Be? On the Rise of the Global University and the Crisis in Higher Education. Qui Parle, 20(1), 35–47. https://doi.org/10.5250/quiparle.20.1.0035

Blommaert, J.D. (2010). Ethnographic Fieldwork a Beginner’s Guide. North York: Multilingual Matters, 2010.

Brandão, J. (2017). O uso do livro didático nas aulas de língua inglesa: ressignificando uma unidade didática naperspectiva dos multiletramentos [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Bruz, I. M. (2020). Ensino de Língua Inglesa para fins Específicos: Caminhos para ir além. In A. C. S. M Brahim & D. A. Hibarino (Org.). Entre Línguas: Letramentos em prática. 1ed.Campinas: Pontes, v. 1, 171- 183.

Bruz, I. (2018). Formação inicial de professores de língua inglesa como língua internacional: uma experiência transnacional [Unpublished doctoral dissertation]. Universidade Federal do Paraná.

Brydon, D. (2013). Desenvolvendo letramento transnacional por meio do ensino do Inglês. In R. Tavares & D. Brydon. Letramentos transnacionais: mobilizando conhecimento entre Brasil Canadá. Maceió: EDUFAL, 2013

Clifford (1986). Introduction: Partial truths. In: J. Clifford & G. Marcus. Writing culture: the poetics and politics of ethnography. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1986.

Fernandes, C. C. (2019). Internacionalização como prática local: telecolaboração UEMS (Brasil) - Glendon College/York University (Canadá) e a formação de professores de Língua Inglesa [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Ferrari, L. (2017). Em Español! Que lindo! Sabe dos idiomas! Em português e Espanhol. Que rico, tá? Um olhar situado sobre aspetos de translinguagem na interação professora/alunos em uma escola de fronteira de Brasil-Bolívia [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Ferraz, D. M. & Morgan, B. (2019). Transnational dialogue on language education in Canada and Brazil: how do we move forward in the face of neoconservative/neoliberaltimes? Trabalhos em Linguística Aplicada, 58(1), 195-218. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-18132019000100195&lng=en&nrm=iso

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 30 ed. São Paulo: Paz e Terra.

_________. (2010). À sombra desta mangueira. 9 ed. São Paulo: Olho d’Água,

Kim, E-J A. (2015). Neo-colonialism in Our Schools: Representations of Indigenous Perspectives in Ontario Science Curricula. McGill Journal of Education, 50(1), 119 143. https://doi.org/10.7202/1036109ar.

Kumaravadivelu, B. (2003). Beyond methods: macrostrategies for language teaching. Yale Language Series. Kumaravadivelu, B. (2012). Language teacher education for a global society: a modular model for knowing, analyzing, recognizing, doing, and seeing. New York, NY: Routledge.

_________________. (2016). The decolonial option in English teaching: Can the subaltern act? TESOL Quarterly, 50(1), 66-85. http://www.bkumaravadivelu.com/articles%20in%20pdfs/Kumaravadivelu%202016.pdf

Maciel, R. F. & Vergara, V. S. (2019). Internacionalização como prática local: um olhar situado sobre o papel da língua no English club e no curso de medicina. ORGANON Revista do Instituto de Letras da UFRGS, 34(66), no page. https://doi.org/10.22456/2238-8915.91066

Martinez, J. Z. (2017). Entre fios, pistas e rastros: os sentidos emaranhados da internacionalização da Educação Superior [Unpublished doctoral dissertation]. Universidade de São Paulo.

Martinez, R. & Fernandes, K. A. R. (2020). Development of a Teacher Training Course for English Medium Instruction for Higher Education Professors in Brazil. In M. M. Sanches-Perez (Org.). Teacher Training for English-Medium Instruction in Higher Education, 110-131, 1ed. Hershey, Pennsylvania: IGI Global.

Martin, I. & Morgan, B. (2015). Preparing teachers for ‘unequal Englishes’: The D-TEIL experience in Cuba. In: R. Tupas (ed.). Unequal Englishes. Palgrave Macmillan, London.

______________________. (2019). A transnational approach to language teacher education: the Glendon D-TEIL experience in Cuba and Brazil. In W. Magno e Silva, W. Silva, & D. M. Campos (Orgs.). Desafios da formação de professores na linguística aplicada. Pontes Editores.

Marques, N. (2015). Da formação continuada aos momentos de tensão em sala de aula: Uma perspectiva rizomática [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Menezes De Souza, L. M. (2011). Para uma redefinição do letramento crítico: conflito e produção de significação. In R. F. Maciel & V. Araújo. Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí, Paco Editorial.

______________________. (2017). Transculturalidade, construção de conhecimento e ensino de línguas. Campo Grande: Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. (Comunicação Oral).

Mizzi, R. (2013). “There Aren’t Any Gays Here”: Encountering Heteroprofessionalism in an International Development Workplace. Journal of Homosexuality, 60(11), 1602 1624. https://doi.org/10.1080/00918369.2013.824341

________. (2014). Troubling preparedness: investigating the (in)visibility of LGBT concerns within pre- departure orientations. Development in Practice, 24(2), 286 297. https://doi.org/10.1080/09614524.2014.885493

________. (2015). Mobility matters: Towards an understanding of transnational education. New Horizons in Adult Education and Human Resource Development, 27(4), 1-3. https://doi.org/10.1002/nha3.20118

Monte Mór, W. (2011) Critical literacies in the Brazilian university and in the elementary/secondary schools: the dialectics between the global and the local. In R. F. Maciel & V. Araújo. Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí, Paco Editorial.

Morgan, B. & Martin, I. (2014). Towards a research agenda for classroom-as-ecosystem. Modern Language Journal, 98(2), 667-670. https://doi.org/10.1111/modl.12098

Morgan, B. & Clarke, M. (2011). Identity in second language teaching and learning. In E. Hinkel (Ed.). Handbook of Research in Second Language Teaching and Learning, v. 2. Routledge.

Moura, G. (2017). Um olhar para a formação de um professor de língua inglesa em contexto transnacional/transcultural: Brasil-Canadá-Cuba [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Okazaki, T. (2005). Critical consciousness and critical language teaching. Second Language Studies, 23(2), 174- 202. http://www.hawaii.edu/sls/wpcontent/uploads/2014/09/10-Okazaki-Taka.pdf

Ozano, K. & Khatri, R. (2017). Reflexivity, positionality and power in cross-cultural participatory action research with research assistants in rural Cambodia. Educational Action Research, 26(2), 190-204. https://goi.org/10.1080/09650792.2017.1221860

Pennycook, A. (2007). ELT and colonialism. In J. Cummins & C. Davison (eds.). International Handbook of English Language Teaching, v. 15, https://doi.org/10.1007/9780-387-46301-8_2.

St. Pierre, E. A. (2013). The posts continue: becoming. International Journal of Qualitative Studies in Education, 26(6), 646-657. https://doi.org/10.1080/09518398.2013.788754

Richardson, G. & Abbott, L. (2009) ‘Between the National and the Global: Exploring Tensions in Canadian Citizenship Education’. Studies in Ethnicity and Nationalism, 9(3), 377-394. https://doi.org/10.1111/j.1754- 9469.2009.01059.x

Rivers, D. & Zotzmann, K. (2017). Isms in language education: Oppression, Intersectionality and Emancipation. Berlin, [Germany]: De Gruyter Mouton.

Rocha, C. H. & Maciel, R. F. (2013). Língua estrangeira e formação cidadã: entre discursos e práticas. 1 ed. Campinas: Pontes.

___________________________. (2016). Internacionalização do ensino superior como prática local: implicações para práticas educacionais. INTERLETRAS (Dourados), 6(24), 1-18. http://www.interletras.com.br/ed_anteriores/n24/conteudo/artigos/12.pdf

___________________________. (2015). Ensino de língua estrangeira como prática translíngue: articulações com teorizações bakhtinianas. Revista Delta - Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, 31(2), 411-445. https://www.scielo.br/pdf/delta/v31n2/1678-460X-delta-31-02-00411.pdf

Santaella, L. (2013). Desafios da ubiquidade para a educação. Revista Ensino Superior Unicamp, v. 9, 19-28. https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/edicoes/ed09_abril2013/NMES_1.pdf

Singh, M. (2005). Enabling Transnational Learning Communities: Polices, Pedagogies and Politics of Educational Power. In: P. Ninnes. Internationalizing Higher Education: Critical Explorations of Pedagogy and Policy. Springer: xxx.

Soares, E. A. (2015). Momentos de letramentos críticos e suas implicações nas aulas de língua inglesa no ensino médio de uma escola pública [Unpublished master’s dissertation]. Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Somerville, M. (2007). Postmodern emergence. International Journal of Qualitative Studies in Education, 20(2), 225-243. https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/09518390601159750

_____________. (2013). A Place Pedagogy for “Global Contemporaneity” Educational Philosophy and Theory: Focus on Democracy, Power and Governmentality, 42(3), 326-344. https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1111/j.1469-5812.2008.00423.x

Windle, J. A. (2017). Social identity and language ideology: challenging hegemonic visions of English in Brazil. Gragoatá, 22(42), 370-392. https://doi.org/10.22409/gragoata.2017n42a894

Descargas

Publicado

2021-07-29

Cómo citar

Moura, G. ., & Bruz, I. M. . (2021). Internacionalização como prática local na formação de professores de língua: telecolaboração Brasil-Canadá. Ñemitỹrã, 3(1), 98–112. Recuperado a partir de https://revistascientificas.una.py/index.php/nemityra/article/view/1583