Language for resilience: desafios e possibilidades no ensino/aprendizagem de línguas para refugiados falantes de árabe

Autores/as

  • Evellin Bianca Souza de Oliveira Universidade Estadual de Santa Cruz; Brasil
  • Filipe Arruda de Castro Universidade Estadual da Paraíba, Brasil

Palabras clave:

Refugiados, Resiliência, Línguas, Árabe

Resumen

Todos os anos milhares de pessoas são forçadas a deixarem seu país de origem por motivos de guerras, perseguição política, religiosa, dentre outros motivos, sendo vistas não mais como cidadãs, mas refugiadas. Ao fugir de sua terra, um dos principais instrumentos que um povo leva consigo é sua língua, todavia, ao chegar ao país de acolhimento pessoas refugiadas, muitas vezes, são impedidas de utilizá-la, o que os deixa em uma situação ainda maior de vulnerabilidade (ATEEK, 2018). Dados do Comitê Nacional para os Refugiados - CONARE (2018) mostram que no Brasil há 11,231 pessoas reconhecidas como refugiadas, sendo que 36% são de nacionalidade síria e o restante é composto por pessoas de diferentes países. Quando pensamos em refugiados, entendemos que ao chegar ao país de acolhimento além de todas as suas perdas, eles sofrem ainda desafios em sua identidade linguística, logo, o processo de pertencimento passa pela aprendizagem da nova língua, e esta se torna instrumento não apenas de comunicação, mas de resiliência. Assim, após passarmos um período considerável em diferentes países do Oriente Médio realizando trabalhos voluntários relacionado ao ensino de línguas para refugiados, entendemos que a língua tem papel fundamental nos fluxos migratórios. Desta forma, nesta pesquisa, iremos abordar a importância do ensino de português como língua de acolhimento, ressaltando também a necessidade do ensino de línguas adicionais para refugiados. Traremos referenciais teóricos que abordam o tema como Arantes et al (2016), Brasil (2019), British Council (2016) e (2018), relacionando-os a nossa prática com o ensino de línguas para refugiados árabes. Buscamos também investigar a importância das ONG’s e entidades como British Council, que promovem ações de ensino-aprendizagem para pessoas em situação de refúgio e abordar o papel do Brasil na ACNUR. Acreditamos que esta pesquisa pode colaborar para a visibilidade e políticas linguísticas em favor de refugiados, especialmente falantes de árabe, no Brasil.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Arantes, P.C., Deusdará, B., y Brenner, A. (2016) Língua E Alteridade Na Acolhida A Refugiados: Por Uma Micropolítica Da Linguagem. Fórum Linguistic., Florianópolis, V.13, N.2, P.1196 - 1207, Abr./Jun.2016. Acesso: Ago. 2020.

Ateek, M. (2018). Home And Shared Language In The Context Of The Syrian Refugee Crisis. In: British Council Org. Language For Resilience: Cross-Disciplinary Perspectives On The Role Of Language In Enhancing The Resilience Of Refugees And Host Communities. Edited By Dr Tony Capstick. Disponívelem: Acesso: Ago. 2020.

Bauman, Z. (2017). Estranhos À Nossa Porta. Tradução Carlos Alberto Medeiros - 1. Ed. - Rio De Janeiro: Zahar.

Bulla, G. S.; Silva, R. L. E.; Lucena, J. C.; Silva, L. P. (2017) . Imigração, Refúgio E Políticas Linguísticas No Brasil: Reflexões Sobre Escola Plurilíngue E Formação De Professores A Partir De Uma Prática Educacional Com Estudantes Haitianos. Organon, V. 32, P. 1-14.

Brasil, T.L. (2019). Resiliência Integral: Um Caminho De Possibilidades Para Formação Humana De Futuros Docentes. Tese (Doutorado) - Universidade Federal De Pernambuco, Ce. Programa De PósGraduação Em Educação. Disponível Em: Acesso: Ago. 2020.

British Council Org. (2018). Language For Resilience: Cross-Disciplinary Perspectives On The Role Of Language In Enhancing The Resilience Of Refugees And Host Communities. Edited By Dr Tony Capstick. Disponível Em: Acesso: Ago. 2020.

__________________. (2016) Language For Resilience: The Role Of Language In Enhancing The Resilience Of Syrian Refugees And Host Communities. With A Foreword By Unhcr. Disponível Em: Acesso: Ago. 2020.

Conare. Relatório. (2018). Disponível Em: Https://Www.Acnur.Org/Portugues/2019/07/25/Governo-E-AcnurLancam-Relatorio-Refugio-Em-Numeros-E-Plataforma-Interativa-Sobre Reconhecimento-DaCondicao-De-Refugiado-No-Brasil/. Acesso Em Set. 2020.

________________. Desperate Journeys - Unhcr: Refugees And Migrants Arriving In Europe And At Europe's Borders. January - December 2018. Disponível Em: . Acesso Em Nov. 2020.

Freire, Paulo. (1996). Pedagogia Da Autonomia: Saberes Necessários À Prática Educativa. 2002. 25a. Ed. São Paulo: Paz E Terra. (Coleção Leitura). Disponível Em: . Acesso Em Nov. 2020.

Jardim, D.F. (2017). Imigrantes Ou Refugiados? Tecnologias De Controle E As Fronteiras. Jundiaí, Paco Editorial.

Mendes, E. (Ed.). (2011). Diálogos Interculturais: Ensino E Formação Em Português Língua Estrangeira. Campinas, Sp: Pontes Editores. 310 Pp. Isbn: 978-85-7113-362-4

Natal, M., y Silva, D.. (2015). Formação Docente Para A Responsabilidade Social: A Interlocução Da Formação Do Cidadão Em Diferentes Contextos. Educere - Xii Congresso Nacional De Educação. Pucpr 26 A 29/10/2015. Issn 2176-1396. Acesso Em Ago. 2020.

Ribeiro Da Silva, E. (2013). A Pesquisa Em Política Linguística: Histórico, Desenvolvimento E Pressupostos Epistemológicos. Trab. Ling. Aplic., Campinas, N(52.2): 289-320, Jul./Dez. 2013. Acesso Em Ago. 2020.

Descargas

Publicado

2021-07-29

Cómo citar

Souza de Oliveira, E. B. ., & Arruda de Castro, F. . (2021). Language for resilience: desafios e possibilidades no ensino/aprendizagem de línguas para refugiados falantes de árabe. Ñemitỹrã, 3(1), 165–173. Recuperado a partir de https://revistascientificas.una.py/index.php/nemityra/article/view/1577