Voluntariado e o ensino de português língua de acolhimento: fazer o bem atrelado à ação profissional

Autores/as

  • María Aparecida Neves da Silva Universidade de Brasilia, Brasil
  • María Luand Bezerra Campelo Universidade de Brasilia, Brasil

Palabras clave:

Voluntariado, Português Língua de Acolhimento, Ação Profissional.

Resumen

Tendo em vista a importância do trabalho voluntário em nossa sociedade, considerando as contribuições que ações sem fins lucrativos produzem nos campos sociais, culturais e econômicos, pensou-se em um trabalho que oportunizasse o olhar do agente voluntário sobre suas escolhas, práticas e aspirações no ato de ensinar a Língua Portuguesa numa perspectiva do acolhimento (doravante PLAc). Desta forma, este artigo tem como objetivo analisar as motivações e opiniões de um grupo de 7 professores voluntários, que atuam em 3 projetos sociais, ofertando o ensino de Português gratuito para imigrantes e refugiados em Brasília – DF.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Citas

Amado, R. de S. (2016). O ensino de português para refugiados: Caminho para a cidadania. Em R. L. Sá (Org.), Português para falantes de outras línguas: Interculturalidade, inclusão social e políticas linguísticas (Vol. 1, 69-86). Campinas, SP: Pontes.

Ançã, M. H. (2006). Língua portuguesa e imigração: Entre língua de acolhimento e língua de afastamento. Atas do XIII ENDIPE/Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino (s/pp., versão em CD-ROM), Recife, Brasil.

Anheier, K. H., & Salamon, L. M. (1999). Volunteering in cross-national perspective: Initial comparisons, law and contemporary problems. Law and Contemporary problems, 62 (4), 43-65.

Barbosa, L. M. de A., & São Bernardo, M. de. (2017). Língua de Acolhimento. Em L. Cavalcanti, T. Botega, D.

Araújo, & T. Tonhati (Eds.), Dicionário crítico de migrações internacionais (434-437). Brasília, DF: Universidade de Brasília.

Brasil. (1998). Lei nº 9.608 de 18, de fevereiro de 1998. Dispõe sobre o serviço voluntário e dá outras providências. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9608.htm.

Burrel, G., & Morgan, G. (1979). Sociological paradigms and organizational analysis: Elements of the sociology of corporate life. London: Heinemann.

Camargos, A. A. M. (2008). Direito do trabalho no terceiro setor. São Paulo: Saraiva.

Clary, E. G., Snyder, M., & Ridge, R. D. (1992). Volunteers’ motivations: a functional strategy for the recruitment, placement and retention of volunteers. Nonprofit Management and Leadership, 2 (4), 333-350.

Cnaan, A. R., & Cascio, T. (1998). Performance and commitment: Issues in management of volunteers in human service organizations. Journal of Social Service Research, 24, 1-37.

Cohen, N. E. (1964). O papel do voluntário na sociedade moderna. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Lopes, A. (2006). Trabalho voluntário e envelhecimento: Um estudo comparativo entre idosos americanos ebrasileiros. (Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil).

Lopez, A. P. de A., & Diniz, L. R. A. (no prelo). Iniciativas jurídicas e acadêmicas brasileiras para o acolhimento de imigrantes deslocados forçados.

Morgan, G., Frost, P., & Pondy, L. (1983). Organizational symbolism. Em L. R. Pondy, R. J. Frost, G. Morgan, & T. C. Dandridge (Eds.). Organizational symbolism (3-35). Connecticut: Jay Press.

Penner, L. A. (2002). Dispositional and organizational influences on sustained volunteerism: An interactionist perspective. Journal of Social Issues, 58 (3), 447-467.

Rey, F. G. (2005). Pesquisa qualitativa e subjetividade: Os processos de construção da informação. São Paulo: Thomson.

SESC. DN. DPD. GEP. (2007). Manual de procedimentos e gestão do voluntariado: Mesa Brasil SESC. Rio de Janeiro: SESC, Departamento Nacional.

Descargas

Publicado

2021-07-29

Cómo citar

Neves da Silva, M. A. ., & Bezerra Campelo, M. L. . (2021). Voluntariado e o ensino de português língua de acolhimento: fazer o bem atrelado à ação profissional. Ñemitỹrã, 3(1), 152–164. Recuperado a partir de https://revistascientificas.una.py/index.php/nemityra/article/view/1578